Tesla, Edison e a energia elétrica

por Thiago Patto

Tesla, Edison e a energia elétrica

A eletricidade no final do século XIX e começo do século XX talvez fosse algo como é a informática nos dias de hoje. Havia um nítido desenvolvimento tecnológico, que se alastrava rapidamente pela sociedade. As primeiras usinas de produção de energia surgiam para iluminar cidades e alimentar indústrias. O mundo vivia a chamada Segunda Revolução Industrial.

E no meio desse turbilhão de acontecimentos, ocorreu um dos mais curiosos embates científicos e políticos da história. Estamos falando da disputa entre a corrente elétrica contínua e a corrente elétrica alternada, protagonizada pelos dois sujeitos que aparecem no título desse texto.

Thomas Edison (1847-1931)

Do lado direito do corner, Thomas Alva Edison um dos filhos mais ilustres e conhecidos dos Estados Unidos. Famosíssimo como inventor, Edison foi também um homem muito poderoso, empresário e dono de muitas patentes, dentre elas o seu modelo de lâmpada incandescente, o primeiro a ser comercializado.

Nikola Tesla (1856-1943)

E do lado esquerdo do corner, o desafiante Nikola Tesla, natural do Império Austríaco, com certeza um dos mais visionários e excêntricos cientistas da história. Também foi responsável por muitas invenções, como o projeto da primeira usina hidrelétrica, construída nas cataratas do Niágara.

Tesla chegou a trabalhar como assistente pessoal de Edison, desenvolvendo e aperfeiçoando os equipamentos da sua companhia, a Continental Edison Company. A relação entre ambos foi rompida quando Tesla cobrou de Edison uma recompensa de 50 mil dólares (valor que hoje seria equivalente a pouco mais de 1 milhão) que havia sido prometida por ele se conseguisse melhorar o desempenho dos geradores utilizados pela companhia. Edison havia dito que a promessa era uma brincadeira, o que fez com que Tesla abandonasse a empresa.

Durante o tempo em que trabalharam juntos, surgiam as primeiras divergências ideológicas entre os dois inventores. Edison desenvolveu todos os seus equipamentos com base na corrente elétrica contínua. Esse tipo de corrente consiste num fluxo contínuo dos elétrons em uma única direção. Todos os aparelhos que funcionam à base de pilhas e baterias são alimentados por corrente contínua, além de ser o tipo de corrente que estudamos no Ensino Médio, por ser mais simples.

Na corrente contínua, o fluxo de elétrons se dá numa única direção.

Já Tesla defendia um modelo de corrente alternada, em que o fluxo de elétrons era oscilatório. Tesla sabia que essa tecnologia era muito mais eficiente e econômica. Entre as várias vantagens da corrente alternada, havia a possibilidade de variar a tensão elétrica utilizada, utilizando um transformador. Isso hoje em dia é essencial para computadores, celulares e outros dispositivos que devem ser ligados na tomada com tensões pequenas (5, 10 volts). Mas a maior parte dos equipamentos utilizados na época funcionava com corrente contínua, que estava num estágio mais avançado de desenvolvimento. A corrente alternada ainda dava seus primeiros passos, muito em função das contribuições de Tesla.

Já na corrente alternada, a corrente elétrica varia em intensidade e sentido ao longo do tempo.

Após pedir demissão, Tesla chegou a ter sua própria companhia, a  Tesla Electric Light & Manufacturing, mas seus investidores não aprovaram a idéia da corrente alternada. Tesla não era rico como Edison, e por isso precisava que algum milionário comprasse a sua ideia. Coube ao empresário George Westinghouse, desafeto de Edison, o papel de financiador de Tesla. Com isso, ele pôde desenvolver sua própria tecnologia e disputar com Edison e a sua corrente contínua.

Esse embate tinha uma forte conotação política, afinal, antes de ser uma disputa científica, tratava-se de uma disputa por dinheiro, muito dinheiro. A eletricidade estava se disseminando pelo mundo, e era necessário estabelecer qual tecnologia era mais adequada.

Thomas Edison se engajou nessa luta e tomou algumas decisões no mínimo questionáveis. Uma delas foi a execução da elefanta Topsy. O animal era propriedade de um circo, e estava causando grandes problemas. Já havia matado 3 pessoas, entre elas o seu próprio adestrador. Resolveram então sacrificar o pobre animal e Edison aproveitou-se da situação. Ele queria mostrar que, como a corrente alternada permitia a mudança da tensão elétrica, era possível aumentar seu valor a ponto de colocar em risco a vida das pessoas. Topsy foi alimentada com cenouras cheias de cianureto, e eletrocutada com um choque de 6 mil volts. O mais bizarro é que isso foi um evento público com vários espectadores, e que chegou a ser filmado. O vídeo, de 1903, está disponível no youtube:

[youtube http://www.youtube.com/watch?v=d0CdpeWk-Bo&w=420]

Deixo registrado o meu repúdio a essa violência gratuita à coitada da elefanta.

Mas eventos como esse de nada adiantaram. O governo dos Estados Unidos se convenceu de que a corrente alternada era a saída mais viável para a disseminação da energia elétrica. E, por se tratar de uma corrente mais barata e fácil de se transportar por grandes distâncias, aos poucos fez com que um privilégio dos mais ricos se disseminasse por todo o planeta.

Mas o final de Tesla não foi nada feliz. Ele queria muito mais, imaginava um mundo onde a energia elétrica fosse livre e disponível para todos, uma ideia que obviamente ia contra os interesses capitalistas. Por isso, os grandes empresários do ramo, J.P. Morgan, seu antigo financiador Westinghouse, e principalmente Thomas Edison, lhe deram as costas. A isto soma-se o fato das experiências de Tesla tornarem-se cada vez mais ousadas. Assim, até mesmo a comunidade científica passou a ignorar Tesla, que sofreu um processo de desmoralização muito forte, acusado de ser um lunático. Acabou se isolando cada vez mais do mundo, morrendo pobre e solitário.

Hugh Jackman e Scarlett Johansson, dois dos atores do elenco de "O Grande Truque"

Parte dessa história aqui contada aparece no filme The Prestige (lançado no Brasil como O Grande Truque), dirigido por Christopher Nolan. O filme conta a história de dois mágicos rivais e tem como pano de fundo o ambiente de conflito entre Edison e Tesla. Tesla aparece como um personagem no filme, interpretado pelo grande músico David Bowie, diga-se de passagem um excêntrico tão notável quanto o personagem que interpretava. Além disso, é um ótimo filme, recomendo a todos.

Por fim, cabe uma reflexão: na história aqui contada, retratamos a ciência tendo um papel secundário, onde o protagonismo no curso dos acontecimentos pertenceu aos interesses capitalistas. A corrente alternada foi a vencedora não porque era uma ideia melhor do ponto de vista científico – e ela realmente é – mas porque se mostrou mais econômica e mais rentável. Não se pretende aqui ignorar a importância da eficiência na produção, mas será que nos dias de hoje aproveitamos todo o potencial da ciência, ou só aquilo que atende à demanda do capitalismo? Ou, por outro lado, será que é importante explorarmos todo o potencial da ciência?