Curiosidades

No frigir dos ovos

por 4quatros

No frigir dos ovos

O texto abaixo chegou no meu email hoje. Anônimo. Impossível não compartilhar!!

Quando comecei, pensava que escrever sobre comida seria sopa no mel, mamão com açúcar. Só que depois de um certo tempo dá crepe, você percebe que comeu gato por lebre e acaba ficando com uma batata quente nas mãos. Como rapadura é doce mas não é mole, nem sempre você tem idéias e pra descascar esse abacaxi só metendo a mão na massa.

 

Qual a nona figura?

por 4quatros

Qual a nona figura?

A resposta está no fim do post! Rolar para baixo para ver!!

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Resposta: 7

A resposta se acha somando a figura da esquerda com a figura do centro para dar a figura da esquerda. Pronto para voltar a estudar para o ENEM/Vestibular? Check nosso site!

“Ela fala como uma matraca”… De onde vem isso?

por 4quatros

“Ela fala como uma matraca”… De onde vem isso?

Estava neste final de semana visitando o Palacete de Conde Sarzedas ( atual Museu do Tribunal de Justiça de São Paulo) e me deparei com uma curiosidade interessante.

No meio da seção sobre a revolução constitucionalista de 1932 estava uma matraca (ver foto). Conhecia a palavra da expressão “ela fala como uma matraca” mas não sabia da origem da palavra.  Aparentemente, esse termo se aplica a tudo que gera barulho através do impacto de dentes de uma catraca contra uma vara elástica. Existem instrumentos musicais e vários brinquedos artesanais que funcionam assim. Neste caso, as matracas são utilizadas para imitar o som de metralhadoras no campo de batalha. Soldados sabem que avançar sobre um posto protegido por uma metralhadora é quase suicídio e evitam o fazer. Os comandantes paulistas sabiam disso e se utilizavam de matracas para coibir ataques inimigos.

Jogos que podem (ou não) melhorar seu desempenho em matemática

por Maira Kodama

Jogos que podem (ou não) melhorar seu desempenho em matemática

Não me levem a mal, não quero receber e-mail de pais reclamando que o filho disse que eu mandei ele parar de estudar e ficar jogando video game a tarde inteira. O potencial de aplicar habilidades e conhecimentos adquiridos em jogos depende, e muito, da capacidade de correlacionar e adaptar essas habilidades, o que não é absolutamente nada ordinário. Existe um caso de um estudante que passou em química orgânica na faculdade graças aos jogos de Pokemon (se seu inglês é bom, eu aconselho ler a matéria), mas asseguro que a habilidade da minha tia em lidar com números não melhorou nada com essa febre de sudoku.

O Nariz de Cleópatra

por Lucas Chnaiderman

O Nariz de Cleópatra

Todo mundo já ouviu alguma vez o nome Cleópatra, a rainha do Egito, a mulher sedutora, a amante, ou aquela que a Elizabeth Taylor, com os olhos violeta, representa com tamanha beleza…

Cleópatra seduziu Júlio César, o general romano. Diz a lenda que em 47 A.C. quando César invadia o Egito, este não queria ver ninguém da família do faraó, da qual Cleópatra fazia parte. Acontece que a egípcia teria se esquivado e enrolado-se num tapete. O objeto foi dado a César e, espantado, o general viu Cleópatra sair de dentro do tapete direto para os seus braços.

Machado de Assis leitor de Iracema

por Gabriel Guimarães

Machado de Assis leitor de Iracema

Talvez possa espantar a todos aqueles viajantes de primeira viagem no mundo da literatura que, assim como as pessoas normais, os escritores também tinham amigos. Exatamente! Assim como você e eu, eles também são e foram pessoas de uma época e tiveram suas amizades e, também, graves inimizades como é o caso de alguns modernistas com parnasianos, mas contemos isso em outra oportunidade…

Amarcord, de Federico Fellini

por Marcos Magri

Amarcord, de Federico Fellini

Bom dia, caros leitores e leitoras! Gostaria de falar um pouco hoje sobre um filme, mas, como hoje é feriado, não pretendo escrever uma análise minuciosa ou me debruçar sobre um aspecto específico do filme até o ponto de poder colocar após o título “Tese de doutorado, defendida por…”. Como não sou de esconder o jogo, admito que estou escrevendo sobre ele por um puro desejo de propagandear uma coisa que eu gosto, na vaga esperança de que lendo essas linhazinhas você, caso não conheça, procure pelo famigerado Amarcord, de Federico Fellini.