Conhecimento

Artigos gerais sobre difentes áreas de conhecimento.

Capitu: caiu ou não caiu?

por 4quatros

Capitu: caiu ou não caiu?

A pergunta que costuma animar os leitores da obra Dom Casmurro, de Machado de Assis, é se Capitu, a moça com “olhos de ressaca”, traiu ou não traiu o ciumento Bento Santiago, narrador do romance.

Para além dessa questão quase sem solução (porque é o próprio romance que lança dúvidas sobre a narração), nesse post aproveitamos para perguntar se, na verdade, Capitu caiu ou não caiu.

Que Capitu caiu no vestibular várias vezes todos sabemos. Dom Casmurro esteve na lista de leituras obrigatórias dos principais vestibulares do país durante anos.

No frigir dos ovos

por 4quatros

No frigir dos ovos

O texto abaixo chegou no meu email hoje. Anônimo. Impossível não compartilhar!!

Quando comecei, pensava que escrever sobre comida seria sopa no mel, mamão com açúcar. Só que depois de um certo tempo dá crepe, você percebe que comeu gato por lebre e acaba ficando com uma batata quente nas mãos. Como rapadura é doce mas não é mole, nem sempre você tem idéias e pra descascar esse abacaxi só metendo a mão na massa.

 

Questão mais difícil de História do ENEM de 2011!!

por 4quatros

Questão mais difícil de História do ENEM de 2011!!

Mais uma amostra de nosso portifólio de questões!!! Visite nosso site e confira outros 3.000 vídeos com a mesma qualidade!!

Se você está tendo dificuldades de ver este vídeo ou não vê um vídeo abaixo, clique aqui!!

 

 

 

Português no ENEM: O que devo estudar? O que devo ler?

por 4quatros

Português no ENEM: O que devo estudar? O que devo ler?

Bom dia, Boa tarde, ou Boa noite!!

Continuando nossa série sobre o que deve estudar para se dar bem no ENEM, hoje falaremos sobre as tendências de Português e Literatura.

A figura abaixo é de nossa página de tendências do nosso portal:www.4quatros.com . Os dados abaixo são para a prova de português entre os anos 2009 e 2011. Das 229 vezes que conteúdos de português  foram pedidos, 165 vezes foi pedido algo relacionado a interpretação de textos. Isso é 72% de tudo que cai!!! Repito,  isso não é um erro, você leu corretamente! 72% das questões de português são de interpretação de texto. Somente 10% das questões são de literatura e como essas questões requerem alguma interpretação, já deu para sacar que 82% da prova requer interpretação de alguma forma.

Nova Videoaula de Hidrostática

por 4quatros

Nova Videoaula de Hidrostática

Olá Pessoal,

Aproveitando que as inscrições do ENEM começaram hoje, estamos disponibilizando abaixo  mais uma de nossas videoaulas para lhes ajudar em seu preparo. Muito mais no site. Confira a 4QUATROS!!!

 

 

Ciência é um empreendimento empírico

por Hugo Harada

Ciência é um empreendimento empírico

Li isso hoje e gostaria de compartilhar com vocês. Temos uma aula muito boa sobre a ciência que está bem alinhada a esse pensamento: última videoaula do curso de preparação de Física para o ENEM. Confiram no site: www.4quatros.com

“Ela fala como uma matraca”… De onde vem isso?

por 4quatros

“Ela fala como uma matraca”… De onde vem isso?

Estava neste final de semana visitando o Palacete de Conde Sarzedas ( atual Museu do Tribunal de Justiça de São Paulo) e me deparei com uma curiosidade interessante.

No meio da seção sobre a revolução constitucionalista de 1932 estava uma matraca (ver foto). Conhecia a palavra da expressão “ela fala como uma matraca” mas não sabia da origem da palavra.  Aparentemente, esse termo se aplica a tudo que gera barulho através do impacto de dentes de uma catraca contra uma vara elástica. Existem instrumentos musicais e vários brinquedos artesanais que funcionam assim. Neste caso, as matracas são utilizadas para imitar o som de metralhadoras no campo de batalha. Soldados sabem que avançar sobre um posto protegido por uma metralhadora é quase suicídio e evitam o fazer. Os comandantes paulistas sabiam disso e se utilizavam de matracas para coibir ataques inimigos.

Qual é a relação entre a matemática e a tolerância religiosa?

por Marcos Magri

Qual é a relação entre a matemática e a tolerância religiosa?

Nos livros didáticos de matemática o aluno normalmente se depara com a explicação de um determinado tópico para depois encontrar cascatas de exercícios que o ajudarão a absorver aquele conteúdo.  Eventualmente encontramos também um quadrinho com uma rápida descrição da vida de uma pessoa responsável pelo desenvolvimento daquele tópico dentro do quadro geral da matemática. Já os livros de história, por mais que a natureza das duas disciplinas seja totalmente diferente, não diferem muito em termos de estrutura. Ao aluno é apresentado o nome do tópico, uma descrição das causas e consequências daquele evento e um panorama dos aspectos culturais, econômicos e políticos do palco daquele processo. A isso seguem também exercícios para ajudar o estudante a assimilar o conteúdo que será cobrado numa prova. Tudo parece orientado para que as crianças e os adolescentes adquiram um conhecimento cuja única funcionalidade é de permitir o acesso a uma Universidade, onde ele talvez adquira um ensino técnico que ignora reflexões sobre como o conhecimento se produz, sobre qual seria nosso papel no mundo ou sobre qual é o papel do ensino. Enfim, um ensino que não dá a mínima para a reflexão social nem para epistemológica (termo bonito para se referir ao campo de pesquisa que estuda a natureza do conhecimento).

Paulo Leminski: Perfil e Obra

por Marcos Magri

Paulo Leminski: Perfil e Obra

não discuto
com o destino

o que pintar
eu assino

Tesla, Edison e a energia elétrica

por Thiago Patto

Tesla, Edison e a energia elétrica

A eletricidade no final do século XIX e começo do século XX talvez fosse algo como é a informática nos dias de hoje. Havia um nítido desenvolvimento tecnológico, que se alastrava rapidamente pela sociedade. As primeiras usinas de produção de energia surgiam para iluminar cidades e alimentar indústrias. O mundo vivia a chamada Segunda Revolução Industrial.

E no meio desse turbilhão de acontecimentos, ocorreu um dos mais curiosos embates científicos e políticos da história. Estamos falando da disputa entre a corrente elétrica contínua e a corrente elétrica alternada, protagonizada pelos dois sujeitos que aparecem no título desse texto.